A arte de desenhar
por Laerte Galesso Orientador do Curso de Artes Plásticas da ABRA

O desenho é uma forma de linguagem, talvez a mais antiga. Provavelmente o homem das cavernas, bem antes de se comunicar com palavras, tenha feito isso através de rabiscos. Ainda hoje, quando não conseguimos nos comunicar verbalmente, tentamos fazê-lo por meio de um desenho. Um mapa, por exemplo.
             Assim sendo, aprender a desenhar é uma necessidade, tanto pelo aspecto da comunicação como pelo prazer que esta atividade proporciona. Além disso, desenhar é uma atividade extremamente prazerosa, pois o desenvolvimento e a prática do fazer artístico são muito importantes para o ser humano, pela própria necessidade que temos de nos comunicar com os nossos semelhantes e alcançarmos nossas realizações. A arte desenvolve a criatividade, proporciona autoconfiança, amplia a bagagem cultural, facilita o processo de sociabilidade e ainda possibilita a lucratividade, pois existem mais de trinta profissões ligadas direta ou indiretamente ao Desenho e a Arte em geral.
É importante, porém, que essa prática seja transmitida por profissionais que entendam e atendam as reais necessidades do aluno, não apenas no aspecto técnico, mas principalmente no aspecto emocional. O aluno, especialmente nos momentos iniciais, precisa de todo o apoio, para que se sinta seguro e autoconfiante. Caso contrário, toda a expectativa e o ímpeto do aluno em aprender ficarão comprometidos, desestimulando-o a prosseguir.
 
Porque aprender a desenhar?
Muito antes do desenvolvimento da escrita a raça humana já desenhava. Fosse para se comunicar, para se expressar ou exercer alguma influência sobre os seus inimigos, nossos ancestrais buscavam, através dessa linguagem, representar o real e o imaginário. O desenho, portanto, é uma das mais antigas e eficientes maneiras de se comunicar.
Quando se fala em desenho, o primeiro conceito que vem à mente é a relação com o artista desenhando no seu atelier. O desenho, porém, é muito mais abrangente: praticamente tudo o que está à nossa volta foi criado primeiramente a partir de um desenho; mesa, cadeira, computador, celular, automóvel, enfim, objetos que em algum momento só existiram na representação gráfica. Portanto, o desenho é um quesito importante para qualquer pessoa que queira expor melhor as suas idéias.
O mercado de trabalho para bons desenhistas é bastante amplo: há mais de trinta profissões relacionadas ao desenho. Saber desenhar, portanto, é uma exigência básica até mesmo para ingressar no Ensino Superior, pois o desenho faz parte das provas de habilidade específica ou testes de aptidão para cursos de Arquitetura, Desenho Industrial, Design Digital, Moda, Artes Visuais e Design de Interiores, entre outros.
Independentemente da área de atuação, o desenho à mão livre é a base necessária para treinar a percepção visual, a criatividade e as habilidades técnicas.
 
   É preciso ter “dom” para desenhar?
              A maioria das pessoas não se arrisca na arte do desenho porque acredita que é preciso ter dom. Na verdade, este tabu pode ser quebrado e qualquer pessoa é capaz de aprender a desenhar. Basta dispor de algumas horas por semana, ter disciplina e praticar as bases aprendidas.
          No passado, se uma pessoa não conseguia desenhar dentro dos “padrões gregos”, isto é, no estilo acadêmico, fatalmente estava fadada ao fracasso para a arte. Embora este conceito tenha mudado muito, alguns professores ainda fazem este tipo de cobrança aos seus alunos, muitas vezes desestimulando-os a prosseguir. Na verdade, o fato de não conseguir realizar um desenho academicamente perfeito não desabilita uma pessoa a obter um resultado interessante e expressivo. O ideal é analisar qual é a sua característica: se um desenho mais realista ou algo mais expressivo. Obviamente, um trabalho pode ser realista e ter expressividade. Independentemente do estilo de desenho que você pretende desenvolver é importante que ele transmita sentimento, emoção, estilo e interpretação. Mas, assim como o músico, que para melhor interpretar a canção precisa ler a partitura e praticar, você precisa conhecer as regras básicas para realizar um bom desenho e treinar essas bases.
 
             Como posso aprender a desenhar?
 Só se aprende a desenhar desenhando. Porém, o aprendizado do desenho, como outra atividade qualquer, exige uma boa dose de dedicação e disciplina. Este representa um dos seus principais desafios: se todos os dias do mês você praticar pelo menos quarenta minutos por dia, no final do mês já terá um progresso incrível.
A produtividade é essencial no aprendizado do desenho: quanto mais você desenhar, mais vai desenvolver as habilidades necessárias, tanto as motoras quanto as intelectuais, principalmente a percepção visual, ou seja, a arte de ver.
Quando você começa a desenhar passa a enxergar o mundo de forma diferente e a prestar atenção em detalhes que antes não dava importância.

                O que devo desenhar?
              
Muitas pessoas se consideram incapazes de aprender a desenhar porque geralmente pensam em coisas complexas – como desenhar um rosto, por exemplo. Com a disciplina de realizar uma etapa de cada vez, porém, o aluno terá uma evolução natural. E quando menos perceber, estará desenhando figuras e objetos que nunca imaginou que seria capaz. O segredo é começar com coisas simples para que sinta a evolução, melhore a auto-estima e desenvolva a percepção visual e as habilidades manuais gradativamente.
 Você deve ter em mente que, para desenhar uma cadeira, é preciso saber desenhar um cubo. Porém, para desenhar um cubo da maneira correta, é preciso desenhar um quadrado.
 
 Como devo explorar minha criatividade?
 Há pessoas que têm bastante facilidade em copiar desenhos. Outras são criativas, mas desconhecem as técnicas do desenho. No primeiro caso, elas desenvolveram a percepção visual e a capacidade de ver uma gravura ou mesmo uma foto e reproduzir até com boa semelhança. Isso é um aspecto bastante positivo. Porém, se tirarmos a referência visual, a pessoa é incapaz de desenhar algo, porque conhecem apenas um dos vários recursos para se aprender a desenhar.
Conhecer os fundamentos do desenho é importante e pode ajudar no desenvolvimento dos trabalhos. Porém, isso não garante trabalhos expressivos. A criatividade está mais associada à intuição, à emoção e à sensibilidade de cada um.
Todo trabalho precisa ser iniciado a partir de uma fonte de inspiração objetiva (como um protesto, uma questão social) ou abstração (como a angústia, a solidão ou a felicidade). Caso contrário será como um calouro que canta a música no compasso e com as notas certas, mas esquece de interpretar.
 
 Que materiais são necessários para a prática do desenho?
 Quantas vezes nos deparamos com verdadeiras obras de arte elaboradas somente com lápis grafite ou nanquim e pincel? Portanto, não são necessários materiais caros e sofisticados para desenvolver o Desenho. Bastam dois blocos de desenho (um layout e um canson), alguns lápis (HB, B e 6B), barrinhas de carvão, grafite integral, tinta nanquim preta, um pincel redondo fino e um médio.
O desenho em preto e branco produz efeitos excelentes, mas, se quiser colorir, comece com lápis de cor.
Para o desenho a traço, use papel liso; para desenhos sombreados, use o papel canson, que é poroso.
Antes de decidir o que vai desenhar, procure experimentar os materiais fazendo exercícios espontâneos. Faça traços finos e grossos, manchas e rabiscos, usando gestos largos e com a mão solta, veja os efeitos que cada técnica produz no papel.
 
Lembre-se: desenhar não é apenas buscar a perfeição das formas existentes na natureza, mas também transmitir emoção e sentimentos através de linhas, formas, texturas e volumes.
 
Boa sorte!




   
Design: Estúdio 196